Monstros Embaixo da Cama

Saturday, August 12, 2006

Talvez apenas um estado de necessidade física, uma visão anárquica do amor, saciar um desejo físico e nada mais. Meros devaneios...


É o que se pode afirmar sobre a sociedade sem consistência ao qual nos inserimos.
Amores líquidos, como afirmava o teórico Baumam, que seguem a lógica do consumo, que se baseiam no verbo chave: Consumir.
Consome-se um amor da mesma maneira como se consome um objeto: usa-o e assim que acabar, ou mesmo, quando enjoar procura-se outro; com juras, declarações, e mentiras em demasia.
Com a diversidade de sites de relacionamento que se proliferam pela internet (orkut, beltrano, etc...) a banalização do mesmo é cada vez maior. Basta alguns minutos “fuçando” para perceber a inconsistência.
Enfim, personagens que encenam ser namorados, maridos, esposas, etc... O “mundo da perdição”; (só para constar: sem defender puritanismos). Onde fica difícil distinguir qual é a verdadeira personalidade dos indivíduos, se é que com essa deturpação, os mesmos ainda consigam ter alguma forma singular de personalidade.
Aliás, esta é uma característica da internet: o individuo pode ser quem quiser, basta criatividade para moldar seu personagem... Uma espécie de evasão psicológica. É mais fácil a vida on line.
Espaço das verdades mal contadas.

Talvez, eu seja arcaica por demasia, mas ainda guardo as palavras “Eu te amo” para dizer somente para aqueles que fazem jus. Não que eu defenda o romantismo lânguido, é só que eu não quero me adaptar a certas condições e situações.
Um mero expectador de longe... só isso. Ainda prefiro a vida off line, não que eu seja um profeta da nostalgia, muito pelo contrário, penso que a internet veio para acrescentar muito, mas isso é assunto para outro post.

Sunday, September 25, 2005

O Estado dependente é situado no contexto da luta de classes condicionada pelas crises e desenvolvimento no sistema mundial.
No sentido de expandir a acumulação de capital no Terceiro Mundo os Estados metropolitanos utilizam-se do militarismo como meio de estabelecer a “ordem” e aumentar a acumulação de capital.
O capital é democrático até o individuo o ameaçar; e quando isto ocorre entram em ação os aparelhos repressivos.
Os países desenvolvidos usam seus “aparelhos” sobre os periféricos.
Entretanto, os movimentos populares podem conseguir grandes vitórias e concretizar a real democracia, para tanto têm que infiltrar no Estado; a grande questão é se existem movimentos populares preparados suficientemente para “assumir” o Estado.
Enquanto isso, a revolução cotidiana acontece, pois o capitalismo precisa se revolucionar constantemente para se manter; porque o crescimento econômico aumenta a tolerância a uma ditadura; ditaduras a prazos determinados... Até que, um dia talvez, os homens consigam chegar a uma convivência pelo seu grau de consciência.



Em suma, o termo globalização, atualmente, é utilizado para justificar a influência das superpotências no mundo.
Devido a corrida imperialista, percebe-se a necessidade da constituição de uma organização mundial de Estados, organização esta, que fosse porta voz de todos, bloqueando, assim, o egoísmo dos mais fortes.
A ONU - segunda organização de vocação universal a ser criada – não é um super Estado; respeita a soberania dos Estados nacionais; portanto não impõe nada, sua função é lembrar a humanidade cotidianamente de algumas metas que devem ser tidas como objetivo para o bem de toda a humanidade, pois tecnicamente todo homem tem direito a saúde, educação, lazer etc... porém, quando há o envolvimento da “senhora” propriedade muda-se o “enredo”; como disse o grande escritor: “ Toda propriedade é um furto”.
Entretanto, a ONU pode ser considerada uma mera “conselheira” o que representa uma falha, pois determinadas superpotências ignoram seus conselhos e relevam seu egoísmo, agindo em benefício particular.


* O dois textos acima são conclusões pertencentes a um trabalho apresentado para a disciplina de Teoria Política.

Saturday, August 13, 2005

O que é ser governado...

“É ser governado à vista, inspecionado, espionado, dirigido, legislado, regulamentado, parqueado, endoutrinado, predicado, controlado, calculado, apreciado, censurado, comandado, por seres que não têm nem o título, nem a ciência, nem a virtude (...). Ser governado é ser, a cada operação, a cada transação, a cada movimento, notado, registrado, recenseado, tarifado, selado, medido, cotado, avaliado, patenteado, licenciado, autorizado, rotulado, admoestado, impedido, reformado, reenviado, corrigido. É, sob o pretexto da utilidade pública e em nome do interesse geral, ser submetido à contribuição, utilizado, resgatado, explorado, monopolizado, extorquido, pressionado, mistificado, roubado; e depois, à menor resistência, à primeira palavra de queixa, reprimido, multado, vilipendiado, vexado, acossado, maltratado, espancado, desarmado, garroteado, aprisionado, fuzilado, metralhado, julgado, condenado, deportado, sacrificado, vendido, traído e, no máximo grau, jogado, ridicularizado, ultrajado, desonrado. Eis o governo, eis a justiça, eis a sua moral! (...) Oh! Personalidade humana! Como foi possível deixares-te afundar, durante sessenta séculos, nesta abjeção?”

Proudhon

Saturday, July 02, 2005

Nós temos muito para espernear.l

Onde estão as ideologias de esquerda!?
Como fazer democracia!?
O povo vota e acha que os políticos farão milagres e acabarão com as dificuldades, então cruzam os braços!
E quando tudo está estragado reclamam do maldito governo!!

Liberdade!
Muitos clamam por liberdade.
Apenas clamam,
porém esquecem de busca-la e vigia-la.

Pseudo democracia
poder centralizado...
aonde está a solução??

Irônico...
é facil clamar por liberdade, democracia,
reclamar do governo
assim como é facil cruzar os braços.

Saturday, June 25, 2005

Quais as prioridades!?

O contato nos sufoca,fazem com que nos sintemos fracos e incapazes nos cercam de mediucridade fúteis para que fiquemos mais e mais acomodados.

Vou acordar cedo, ignorar o sol, ignorar o milágre da vida e como de costume, dirijo-me mecanicamente para a aula! E pra que!?Emprego!? Dinheiro!?

É isso que está errado!A sociedade nos obriga a deixar a nós mesmos de lado e simplesmente seguir um padrão!Talvez aprenderíamos bem mais e viveríamos melhor apenas caminhando ao sol! Sentindo o calor e a vida pulsar.

Mas existe o sistema, que nos enche de culpa se nadarmos contra a respeitar, a acatar ordens e não contestá-las.

Bom estudo pra você, bom trabalho!! Mas onde quer que você esteja, o sol continua brilhando!

Monday, June 20, 2005

Na era dos anônimos, destaca-se a Indústria Cultural; onde tudo vira mercadoria, até mesmo a cultura.
Onde a cultura se transforma em um mero produto exposto em prateleiras.
Onde se exclui o tradicional, o velho; onde o que impera é o "novo", que na maioria das vezes nem é tão novo assim, um novo camuflado.
Valores são extintos
Tendências são ditadas
Os templos desta indústria de consumo ditam as religiões, o que tem que ser sagrado.
Sorrisos artificiais perambulam pelos templos.
Prazer instantâneo
Satisfação dissolvida
Clichês ambulantes
Ambulantes são clichês
Na era dos anônimos...

Sunday, June 19, 2005

Pseudo Revoluções Virtuais

Porque é tão mais fácil mobilizar o mundo via internet do que por em prática as coisas no mundo real!?

Personagens são construidos, libertário ou não, interessado, ou não, e tudo é mais prático e simples!

Difícil dar a cara a tapas hoje em dia...

É a sociedade do instantâneo

dos indivíduos anônimos
que não possuem coragem de assumir a veradeira identidade

Uma sociedade que sufoca os diferentes

Uma sociedade virtual onde todos são diferentes


Onde não há prisões
Não há ferimentos
Onde não há repressão

Isso pode deixar-nos mais intimidados na realidade!?
será!?

Transformam nossos sonhos e nossas frases em slogans
Comercializam a dor
o prazer

Tudo vira mercadoria

Cada frase desvenda e critica o mundo